Vida com História

Sob os decibéis do egoísmo

Momento

Comentários (0) / 5 de janeiro de 2022

O melhor lugar do mundo é longe da música do vizinho

Entre o mar e as estrelas, um ruído insistia em repetir a mesma música, seguida de conversas desencontradas, em um arranjo que ofendia a língua portuguesa. Uma combinação próxima  do grunhido de vários selvagens revoltados com alguma coisa. Abastecidos pelo álcool, o grupo experimentava o transe que faz perder a noção de respeito e coletividade.

Pelo tamanho da van que chegou com a excursão dava para imaginar que o movimento seria intenso. Aliviou um pouco a nossa premonição a variedade de faixas etárias que misturava casais, senhores e crianças. Nem bem descarregaram as malas, o volume das caixas de som, dentro da casa, já dava uma pista do que enfrentaríamos pela frente.

Tomaram a areia, o ar e o nosso sossego deixando um rastro de latas de cerveja e muita raiva de quem escolheu um pedacinho do paraíso para ouvir o farfalhar das folhas de coqueiros e o movimento da água do mar. O som que se instalou naquele intervalo entre a vida na capital e a movimento das praia badaladas, há vários quilômetros de distância dali, e se manter soberano, mesmo diante do pedido de clemência de quem apenas queria um pouco de descanso.

O apelo para abaixar o volume ganhou um protesto no nosso portão, liderado por gente que só pensava em si. A vontade de extravasar colocou quase quarenta pessoas alinhadas em uma guerra contra os que queriam apenas algumas horas para viver a experiência que aquele quarteirão sempre entregou com abundância: silêncio.

Paraíso contaminado

O lugar que assistiu baleia encalhar e tartaruga nascer, em um extensão de quase dez quilômetros da mais pura calmaria, enfrentava o desaforo de forasteiros para quem a natureza pouco importava. Passavam o dia, afogados em bebidas  e muito longe de qualquer mergulho nas aguas cristalinas daquele litoral, enfiavam os ouvidos em músicas impossíveis de entender a letra. Um repertório que encontrava nos decibéis ensurdecedores o êxtase, sem intervalo, que enlouquecia a própria natureza. 

Tá, você deve estar pensando nos senhores de idade e crianças que estavam no grupo. Pois bem, os mais velhos se aliaram aos jovens e abasteceram com aquele frenesi inacreditável, uma semana inteira. Não sei o que fizeram com as crianças. Do lado de cá do muro, aconteceram vários pedidos em vão; falamos com a dona da casa, ameaçamos chamar a polícia.

O bom senso estava de férias e não deu ouvidos a quem queria um pouco de trégua para os próprios ouvidos. Um choque entregou a verdadeira condição que acomete a falta de cultura e educação disseminada, no nosso pais. Uma pena assistir pessoas agindo como se estivessem à beira do fim do mundo e não à beira mar. Que tristeza comprovar que quando o assunto é respeito ao próximo, a regra é: faço o que eu quero e os incomodados que se movam. 

Ouvidos em pânico

Negociar com pessoas dispostas a se divertir, a qualquer preço, era o mesmo que convencer um leão faminto a largar a presa. O alvoroço musical ia do meio dia à meia noite, infringindo todas as regras da boa convivência. Sete dias foi o tempo que durou esse duelo entre cercas e nos manteve algumas horas confinados aos fones de ouvido de última geração. 

Foi tão emocionante a partida que acompanhamos a entrada do grupo na van e, quando o último ocupou seu lugar, oferecemos um longo momento de aplausos. A nossa melhor vingança foi lembrar que teríamos mais dez dias de férias. A deles terminava ali. 

Ilustração by Jorge Barros Calixto

Compartilhe essa história com quem você gosta...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *