Prestação de serviços

Trabalho

Comentários (0) / 18 de julho de 2019

Aconteceu na Bahia

Cena 1 – Malandragem

A estação das chuvas e ventos fortes impunha uma solução para a varanda. O ideal era envolvê-la em vidro e não perder  nem um centímetro da paisagem. Como aqui ninguém escapa do improviso e o vidro(na agilidade local) chegaria no fim do inverno, decidimos por uma lona. 

A loja, na cidade, tinha exatamente o que procurávamos; só faltava a mão de obra de instalação, feita por uma pessoa indicada pelo vendedor. A sorte, pelo menos até aquele instante, sincronizou a nossa urgência com o especialista em instalar a lona e ele apareceu, na hora que estávamos pagando.

-Esse é o rapaz – disse o vendedor.

Dei a metragem de material para instalar, o endereço e ele orçou o serviço em 250,00. Pechinchei, pechinchei e a pouca oportunidade de trabalho deixou o serviço por 180,00, com a condição de pagar, junto com o material, na própria loja.

-Posso incluir o valor no cartão? – perguntei ao vendedor da loja. 

-Pode sim. Eu repasso o valor, em mercadoria para o instalador, e já fica tudo certo.

E ficou tudo errado. O instalador adiou o serviço três vezes, depois, disse que estava doente e só poderia instalar, no mês seguinte. 

Voltei à loja, contei a situação, e o vendedor explicou que não poderia mais devolver o dinheiro; o argumento foi que, conforme combinado com o instalador, ele já tinha, inclusive, retirado o pagamento do serviço, em mercadorias.

-Tenha paciência, ele é assim mesmo, uma hora aparece – aconselhou o vendedor, no embalo da falta de pressa local.

Cena 2 – Boa vontade

Na mesma semana, a lanterna do carro queimou e eu levei para trocar. A oficina elétrica estava cheia, então, estacionei na rua. Entrei e um rapaz me perguntou se podia ajudar. Eu contei o que precisava e ele foi me acompanhando até o carro. 

Tirou uma chave de fenda do bolso, abriu o acesso à lâmpada queimada; voltou para dentro da loja-oficina e trouxe a lâmpada; em menos de quinze minutos, estava tudo resolvido. 

Na hora de pagar, ele disse:

-Moça, pague só a lâmpada. O serviço a senhora me dá um trocado e está certo. Eu não sou funcionário da oficina.

-Como assim? Você não é funcionário da oficina?

-Hoje, eu vim só para trazer o meu curriculum. Com a oficina lotada achei que podia dar uma mãozinha. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga o VH
Receba um aviso a cada novo post do VH.
Junte-se aos seguidores do VH! :)
Powered By WPFruits.com

Quero Receber Novidades

Cadastre-se em nossa newsletter e receba em primeira mão as crônicas do Blog Vida com História em seu e-mail :)