Vida com História

Natureza implicada

Momento

Comentários (0) / 11 de maio de 2021

Alguns movimentos levam a gente de encontro à natureza implicada e marcam uma fronteira, bem longe, com aquilo que é explicável.

Cento e vinte e dois quilômetros de estrada, música e temperatura agradável, eu na minha versão melhor companhia. Naquela manhã de sexta-feira, o meu carro quebrava a monotonia das retas, em direção a uma cidade, no interior de São Paulo. A medida que os quilômetros seguiam, a memória insistia em trazer a lembrança da fase ingênua da minha vida e, entre um radar e outro, entregava uma cena da infância dos meus filhos, onde eu vivi a hipnose do “isso é a maior alegria da sua história” e deixei de lado qualquer questionamento ou vontade que não combinasse com a minha dedicação materna.

Talvez os nós tenham começado por ali e se avolumaram, sem eu me dar conta, ao longo dos anos; vinte, no total. Alguns quilômetros mais, e o que era um caminho livre ganhou o incomodo das coisas não resolvidas. Aumentei o volume do rádio; a voz de Tim Maia cantava “Você é mais que pensei, é tudo para mim, é mais que eu esperava, baby… sou feliz agora..” . Como um bom disco de vinil riscado, cantei bem alto, em um dueto com ele, nos quilômetros que se seguiram para chegar ao meu destino.

Não demorou muito para o GPS anunciar o sucesso da sua missão. Estaciono o carro, na sombra de uma árvore e, atenta a recomendação de que aquele lugar era perigoso, desço rápido. Vou de encontro a capela. Os muros do lado de fora, anunciam o poder da padroeira, com o agradecimento de devotos encapando toda a superfície de tijolo aparente. Um canteiro bem cuidado separa o café, de uma loja e da rampa de acesso a entrada principal. No caminho, torneiras garantem o abastecimento de água para a benção do padre. Duas amigas chegam, logo depois, e vamos juntas reforçar o cordão iluminado com velas, próximo ao altar. 

Nesse instante, um espaço de silêncio expulsa os meus pensamentos. Observo as velas acesas, o vai e vem da chama, as cores, a fé, e depois de algum tempo, como uma simbiose, eu sou a vela e todos os meus pedidos. Pude sentir as tramas, traumas, nós, e emaranhados se soltando, com a facilidade como desfazemos uma teia de aranha. O escuro talvez seja o lugar propício para os nós acontecerem e aprisionarem uma ingênua distraída, como eu. Aos poucos, as mais de duzentas velas se juntam à minha chama e uma lucidez acende novos caminhos, novas possibilidades. Eu me emociono e agradeço. 

Era a hora de voltar para casa. Me despeço das minhas amigas e sigo para o carro. Encontro o capô lotado de uma frutinha roxa, do tamanho de uma azeitona e, antes de alcançar o primeiro grão, do que poderia virar uma mancha na lataria, um senhor se aproxima. Acho que a luz que eu recebi na igreja me deixou cega para o perigo. Onde já se viu salvar o capô e descuidar de mim? Não dá tempo de fazer nada a não ser ouvir o senhor dizer:  “Moça, deixe as frutinhas; faz de conta que cada uma delas é a confirmação de um pedido. Existem manchas muito piores que essa, saia logo daqui, ordena.

Aceno um sim tímido, com a cabeça e corro para dentro do carro, com medo do meu coração sair pela boca. Na estrada, observo as frutinhas grudadas no capô e valorizo as vinte uma que eu encontro. Vinte desde o inicio do embaraço e uma por sair em segurança daquela rua. 

Compartilhe essa história com quem você gosta...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *